8 de agosto de 2015 | Relacionamentos & Sexo | Texto: | Ilustração: Bia Quadros
Perder a virgindade & pétalas de rosas
Ilustra: Bia Quadros.

Na seção de Relacionamentos & Sexo, já escrevemos muitas vezes sobre a fluidez do conceito de virgindade. Já explicamos que “o conceito de virgindade prevê uma relação heterossexual e quase sempre diz respeito apenas às meninas cisgêneras” e essa é a virgindade que vemos retratada na ficção, onde o assunto tem uma aura mística e é tratado como um divisor de águas.

Não quero dizer que nada vai mudar na sua vida quando você perder a virgindade. Talvez nada mude e você se sinta igualzinha no dia seguinte. Talvez o momento signifique algo a mais para você. Ninguém pode dizer como transar vai alterar sua visão sobre sexualidade, porque para cada indivíduo é diferente.

As regras são: consentimento, comunicação, respeito e o uso de proteção. Ou seja: na primeira vez, talvez não tenham pétalas de rosas em uma enorme cama de hotel. Pode até ser que vocês tenham uma alma romântica e os fundos para uma noite dessas de romances da TV, com velas, morangos e champagne. Mas a realidade, principalmente entre quem é mais novo, pode ser bem diferente. Porque vamos combinar: não é todo mundo que com 18 anos tem chaves para um carro e dinheiro para um motel chique ou mora sozinho. A primeira transa pode acabar sendo em algum lugar meio inusitado: na cama de solteiro da casa de praia da tua amiga, no quarto do teu namorado sem emitir um som porque o irmão tá no quarto ao lado, em um motel barato que os dois juntaram dinheiro para passar duas horas. Não precisa ser romântico, nem especial.

Como já escrevemos na Capitolina, comunicação é a chave para entender o que é gostoso ou não, afinal, você vai desbravar um novo território: o corpo de alguém. Você vai decidir quais são os teus limites para aquela noite. Então, talvez um pouco mais próximo do que é retratado na ficção, a primeira vez também não precisa acontecer. A primeira noite em que você pensa em transar com alguém talvez não seja a primeira vez que você tenha sexo penetrativo com a pessoa. Talvez rolem preliminares, que são superimportantes para que a transa seja gostosa. E tudo bem mudar de ideia! O consentimento tem que ser afirmado a todo tempo e a pessoa com quem você transar precisa respeitar o teu ritmo.

Acho que é importante saber que se você for o tipo de pessoa que curte um romance, não espere que isso venha do homem. Se permita ser romântica. Compre velas, espalhe pétalas de rosas, faça uma playlist, faça tudo o que você quiser para marcar a noite (só tome cuidado para não botar fogo na casa)!

Tags: ,
Rebecca Raia
  • Coordenadora de Artes
  • Colaboradora de Relacionamentos & Sexo
  • Coordenadora Editorial

Rebecca Raia é uma das co-fundadoras da Revista Capitolina. Seu emprego dos sonhos seria viajar o mundo visitando todos museus possíveis e escrevendo a respeito. Ela gosta de séries de TV feita para adolescentes e de aconselhar desconhecidos sobre questões afetivas.

  • Maria Luiza Neves

    Textos assim me deixam tão feliz! Tenho dezoito e nunca tive o que chamo de relação sexual (afinal, o conceito de relação sexual pode ser modificado de acordo com a pessoa, certo?). Por tempos queria perder a virgindade o mais rápido possível para poder ~me livrar desse peso~, até que entendi que quero alguém que compreenda o quão importante esse momento será para mim (e que o torne especial e doce). Que as primeiras vezes sejam recheadas de doçura e amor. <3 (e que só tenhamos esse momento quando nos sentirmos confortáveis!)

    • Priscilla Dórea

      Gata, espera o que tempo que for que vai valer a pena. Sempre colocaram pressão em mim sobre a idade, eu perdi bem tarde(26 anos) mas foi exatamente com eu quis, e nao era sobre esperar por um cara fodão, era sobre me sentir bem. A maturidade também me salvou de viver coisas ruins, que por exemplo a maioria das minhas amigas viveram, claro que nada há uma regra, por isso siga o seu tempo!

Sobre

A Capitolina é uma revista online independente para garotas adolescentes. Nossa intenção é representar todas as jovens, especialmente as que se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência, mostrando que elas têm espaço para crescerem da forma que são.

Arquivos