8 de julho de 2015 | Edição #16 | Texto: | Ilustração: Natália Schiavon
Um futuro sem segredos: vidência

Imagina que maravilhosa seria a vida se a gente pudesse saber tudo o que vai acontecer com antecedência? Tomar decisões seria mais fácil e tudo pareceria bem mais simples, certo?

Bom, depende. Enquanto para algumas pessoas o futuro é incerto, para outras ele pode parecer bem claro. Seja por pura dedução ou raciocínio lógico (“aquela atitude que eu tomei vai fazer com que tal pessoa se sinta de tal forma”), por mais que a gente tenha a tendência de temer o futuro e achar que ele é um bicho de sete cabeças, mais frequentemente do que notamos, ele se mostra bem previsível.

Entretanto, além de todas as previsões racionais e científicas que hoje podemos dar para esses eventos, existem grupos específicos que acreditam em algo chamado vidência. Algo grandioso, envolto em um grande mistério e que tem chamado a atenção da humanidade (sempre curiosa) desde muito cedo na história. Existe uma lenda chinesa, por exemplo, de que um imperador estava passeando às margens do rio Amarelo quando viu um bicho com cabeça de cavalo e corpo de dragão sair de lá, trazendo nas costas oito símbolos que seriam a chave para todos os enigmas do Universo – e essa lenda é do ano 3000 antes de Cristo!

Hoje em dia, as ferramentas mais conhecidas na área da vidência são búzios, borra de café, pêndulos, cartas de tarô, as tradicionais bolas de cristal e a preferida das Capitolinas: astrologia. Muitas pessoas – inclusive céticas – acabam procurando quem trabalhe com previsões por sentirem que existe algo que pode ser feito de antemão para evitar que eventos desagradáveis venham a acontecer. Focando na astrologia, é comum que a gente se inscreva em canais do YouTube ou assine algum site que fale sobre os nossos signos e que trate da influência dos astros na forma como lidamos com o mundo e vivenciamos cada experiência. Ao saber como nosso temperamento estará nos próximos dias, fica fácil tentar controlar certos impulsos – se você sabe que vai se irritar fácil, acaba tomando mais cuidado para não tratar mal alguém que não tenha nada a ver com isso, ou se sente que semana que vem vai estar mais impulsiva, tenta prestar mais atenção e pensar um pouco antes de tomar decisões, e por aí vai.

Acreditar ou não é uma questão pessoal. Há quem acredite que seja mais simples viver sem saber o que há pela frente, e quem fique ansioso com as possibilidades do que pode acontecer e prefira consultar alguma coisa só para ter certeza. As decisões que tomamos, no final das contas, sempre podem causar aquele “efeito borboleta” que faz com que coisinhas pequenas se tornem algo grandioso no futuro.

Descobrir o que a vida (ou carma, destino, etc.) reserva para cada um de nós pode tornar nossa estadia por aqui mais fácil, mas acarreta grande responsabilidade – e por mais que surpresas deem um certo nervoso no fundo da barriga, saber que nosso futuro tem um ou outro segredinho guardado na manga pode ser mais interessante do que a gente imagina. 😉

Luciana Rodrigues
  • Colaboradora de Relacionamentos & Sexo
  • Colaboradora de Artes

Luciana tem 20 anos e é de Macapá, no Amapá, no extremo norte do Brasil. Cursa Letras na universidade federal do seu estado e é apaixonada por artes em geral, sendo a dança, o desenho e a pintura suas favoritas. Sonha em mudar o mundo com a ajuda dos seus gatos e tem certeza de que nasceu, além de índia, sereia de água doce.

Sobre

A Capitolina é uma revista online independente para garotas adolescentes. Nossa intenção é representar todas as jovens, especialmente as que se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência, mostrando que elas têm espaço para crescerem da forma que são.

Arquivos