27 de dezembro de 2015 | Saúde | Texto: | Ilustração: Isadora M.
Qual o significado da pílula pra você?
NocoesSociaisPilula-IsadoraM

A gente sempre vê matérias falando sobre pílula anticoncepcional a partir das substâncias químicas, dos efeitos colaterais, de qual pílula é melhor pra cada tipo de pessoa.

Mas a pílula não é só isso. Tomar a pílula vai ter um significado diferente pra cada pessoa, não só pelos diversos usos, mas porque cada uma vai pensar uma coisa diferente. Pílula pode significar segurança, pode significar compromisso e pode significar não sentir dor. A gente resolveu compartilhar um pouco com vocês o que tomar pílula quer dizer pra gente. Pra você quer dizer outra coisa? Conta nos comentários!

Pra mim tomar pílula é compromisso

Pra mim a pílula significa compromisso. Todo dia de noite meu celular toca avisando que tá na hora deu tomar a pílula. Cada uma das vezes que isso acontece eu penso no meu namorado, pra mim tomar a pílula a cada dia é me comprometer a estar com ele por mais um mês. Quando eu tomo a pílula no dia 30 de novembro a noite é porque eu penso que a gente vai estar juntos até o dia 30 de dezembro. Isso não é como se fosse um jogo onde cada dia eu decido se quero ficar com ele ou não, mas de alguma forma é uma responsabilidade com o nosso namoro que eu preciso ter todos os dias e ele não. E eu acho injusto em muitos sentidos e ao mesmo tempo sei que tomar pílula é escolha minha, mas não é algo que eu abra mão porque tenho muito medo de engravidar e das consequências de uma gravidez não desejada nesse país. Por isso eu tenho uma relação muito ambígua com a pílula, ela é uma responsabilidade, mas é também um alívio.

Pra mim tomar pílula é segurança

Eu nunca fui diagnosticada com nenhuma doença que justifique a dor que eu sentia quando menstruava, mas doía muito, às vezes eu não sabia se era mesmo cólica ou se era crise renal. Além disso, eu menstruava por quase dez dias, sendo mais de metade desses dias com fluxo intenso. Era muito difícil. E eu nunca sabia quando ia ficar menstruada, era do nada. Eu tomava um remédio pra diminuir dor da cólica, que precisava começar a ser tomado dez dias antes de menstruar. Mas, como eu nunca sabia quando ia menstruar, às vezes eu começava a tomar e menstruava depois de dois dias, então, ele não fazia efeito nenhum. A única coisa que me ajudou foi a pílula. Hoje em dia, tomo por medo de gravidez também, mas tenho até medo de parar de tomar e voltar a sentir aquelas dores horríveis e a menstruar tanto. Tomo há onze anos.

Pra mim tomar pílula é uma questão de segurança

eu tomo pilula pq tenho SOP (Síndrome do Ovário Policisto). Eu não sinto dor nenhuma muito intensa se não tormar, sentia colicas que agora não tenho, mas não era nada de outro mundo. Acontece que o meu maior problema é que eu não menstruo sem pilula. Eu fico, três, quatro meses sem uma gota de sangue e quando vinha parecia que eu ia ter uma hemorragia trocava de absorvente de hora em hora, era muito intenso o fluxo, mas pior era muito ruim a insegurança de não entender pq eu não menstruava e o que tinha de errado comigo. O fato de eu ser gorda piorava as coisas pq eu fui em umas três ginecologistas e elas culpavam meu peso e me mandavam pra endocrinologistas que não resolviam o problema. Fiz dietas especificas para quem tem SOP e não adiantou nada nessa época fiquei seis meses sem menstruar e eu fugia tb da pilula pq eu vejo em tanto lugar o quanto a pilula é essa coisa do mal que eu ficava muito na dúvida do que era melhor fazer. Ai eu comecei a namorar e virou uma questão de prevenção também e passei a tomar a pilula regularmente e entender que ela é um remédio pra mim, que tenho uma disfunção no corpo que ela resolve. Eu entendo e não nego que ela pode fazer mal sim a várias mulheres, mas a mim ela de fato ajuda. Tipo eu realmente não sinto diferença alguma em mim e no meu corpo tomando a pilula ou não, só no fato de que com a pilula eu menstruo regularmente e de uma forma confortável. O namoro terminou, mas a pilula continuou.

 

Brena O'Dwyer
  • Colaboradora de Relacionamentos & Sexo

Brena é uma jovem carioca de 22 anos que cada dia tem um pouco menos de certeza. Muda de opinião o tempo toda e falha miseravelmente na sua tentativa de dar sentido a si mesma e ao mundo em que vive. Gosta de ir ao cinema sozinha as quintas a noite e de ler vários livros ao mesmo tempo. Quase todas as segundas de sol pensa que preferia estar indo a praia, mas nunca vai aos domingos.

Sobre

A Capitolina é uma revista online independente para garotas adolescentes. Nossa intenção é representar todas as jovens, especialmente as que se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência, mostrando que elas têm espaço para crescerem da forma que são.

Arquivos