16 de outubro de 2014 | Ano 1, Edição #7 | Texto: | Ilustração:
As respostas estão em você: sobre oráculos e adivinhações
Ilustração: Isadora M.

Ilustração: Isadora M.

Eu sou uma pessoa esotérica. Holística por demais. Normalmente não me manifesto tanto sobre essas minhas crenças a não ser que eu esteja em um espaço onde todo mundo tá tipo “AI MEU DEUS MERCÚRIO RETRÓGRADO, ME AJUDA, SOCORRO. ALGUÉM ABRE MEU CHAKRA LARÍNGEO”. Esse é um parágrafo de aviso. Esteja preparada para algumas pirações neste texto, e, caso você seja uma cética, tenha paciência porque irei falar de um assunto no qual eu creio e que tem uma parte significativa na minha vida. Aviso dado, posso começar? Posso. Ok.

O QUE É UM ORÁCULO?

Oráculos são os meios utilizados por diversas culturas para se obter respostas de perguntas que vão além do Google, isso é, que dificilmente poderiam ser adquiridas de forma consciente ou racional.

Os chineses usavam o i-ching, os germânicos tinham as runas, o tarot teve sua forma inicial com os antigos egípcios e depois se espalhou pela Europa, o candomblé e a umbanda utilizam dos búzios, e a lista continua. Ao contrário do que se imagina, não se faz apenas perguntas sobre o futuro a um oráculo, também podemos fazer perguntas para entendermos questões do presente ou do passado.

As pessoas normalmente se perguntam como objetos extremamente mundanos, como moedas, cartas, conchas, sementes, ou até mesmo uma borracha com um lado escrito sim e o outro escrito não (eu sei que você já fez isso, gata), possam dar respostas que ultrapassam as barreiras do material. A explicação que eu tenho é que a força e a ++***MAGIA***++ das coisas não está no objeto em si e sim na intenção que depositamos naquele objeto. Na verdade, acredito que toda e qualquer magia se encontra na intenção humana, seja em orações, feitiços, poções ou só pensando mesmo. A coisa mais poderosa que temos nessa vida são os nossos pensamentos, acredite nisso (ai que autoajuda socorro).

POR QUE FAZER USO DE ORÁCULOS?

Na minha humilde opinião, existe um caminho certo e um caminho errado a se seguir na vida. Falar isso soa meio boçal, e você tem todo direito de discordar ainda mais porque é uma afirmação bem tosca mesmo, mas para mim é assim e pronto.

O caminho certo é o caminho do autoconhecimento, o caminho que te aproxima de si, em que você se aprofunda em si mesma. Quanto mais você mergulha em si, mais você mergulha também no outro, no mundo, porque você é, você existe, e é sobre a existência que tudo isso é, então um bom caminho para todos os que “existem” é se aprofundar o máximo possível na existência em si. O caminho errado, consequentemente é o caminho que te mantém na superfície, sempre rasa, o caminho que te impede de se conhecer, de procurar o entendimento do existir e de se aproximar cada vez mais dos mistérios do ser, é o caminho do medo, do comodismo e da hipnose eterna.

Eita, agora respira. O que oráculos tem a ver com essa piração toda? Os oráculos são um dos vários meios que nos auxiliam no processo do autoconhecimento, assim como, por exemplo, a intepretação de sonhos. Eu jogo cartas, o baralho que mais uso é o baralho cigano, e já tirei muitas cartas nessa vida para pessoas amigas e conhecidas. Uma coisa que posso te dizer é que na maioria das vezes a sensação no final da tiragem para a pessoa que fez a pergunta é “eu meio que já sabia”, raramente é uma grande revelação, porque eu acredito que o que está agindo ali para que saiam as “cartas certas” é nosso próprio inconsciente, e o processo do autoconhecimento é basicamente esse, trazer questões que estão no seu inconsciente para a sua consciência. Pela minha experiência, uma coisa que aprendi foi: dos oráculos você nunca ouve o que quer ouvir, mas também nunca ouve o que não está preparada para ouvir. O oráculo te diz o que você precisa ouvir.

COISAS BASICAS QUE VOCÊ DEVE SABER ANTES DE COMEÇAR

Caso você queira fazer uma consulta com alguém, é importante que ela seja em um lugar mais tranquilo e que, de preferencia, só tenha você e a pessoa com quem você vai se consultar. Outra dica é não fazer perguntas só por fazer, se dedique àquela questão que realmente está ocupando sua mente ultimamente. Não que seja algo proibido perguntar por perguntar, você pode fazer a pergunta que bem entender para um oráculo, mas é uma questão de respeito. Por respeito àquele momento, por respeito ao oráculo e por respeito à pessoa que está manuseando o oráculo, já que essa pessoa vai sim perder energia (e dependendo do jogo, MUITA energia) para trazer aquela resposta para você. Interessante também é anotar em algum lugar o resultado do oráculo que você consultou, porque tem coisas que não entendemos na hora, mas depois fazem muito sentido.

Se seu interesse é começar a usar e ler oráculos, os cuidados são maiores. Em primeiro lugar é importante que você faça uma limpeza do objeto que será usado como oráculo. Existem vários processos de limpeza e purificação – eu, por exemplo, quando compro um baralho coloco ele em cima de um copo com água e sal grosso e deixo lá por um dia. Outra coisa é que é muito importante que se tenha garantia de uma troca quando se usa o oráculo para alguém. Se alguém pedir que você tire uma pergunta pra ela, só o faça de graça se essa pessoa for sua amiga e que, portanto, você tenha uma garantia de que aquela energia que você está gastando vai retornar para você, porque em amizades as trocas são constantes. Agora, se a pessoa for um conhecido ou até mesmo alguém que você não conhece, é importante que você cobre pela sessão, nem que a pessoa pague o que ela achar melhor, ou te leve um presente, qualquer troca vale, você só não pode ficar se doando assim sem receber nada em troca porque isso gera um desequilíbrio energético muito pesado e pode não te fazer bem. A terceira e última dica que vos digo é aquele bom e velho ditado do homem aranha: com grandes poderes vêm grandes responsabilidades, então tenha consciência da responsabilidade que é fazer a leitura dos oráculos, tenha delicadeza, sensibilidade e compaixão, porque o que você disser pode afetar muito a pessoa consulente.

ACABOU. Espero ter ajudado. Que a magia esteja com vocês. Falou.

Verônica Vilela
  • Colaboradora de Artes
  • Ilustradora
  • Audiovisual

Verônica V. tem 19 anos e não sabe bem onde mora, algo entre uma cama no Rio e o Universo. Estuda cinema na UFF, gosta de viver as paradas e necessita dar um retorno dessas vivências através da expressão. Posta uns desenhos sentimentais nessa página aqui: www.valsa-dos-erros.tumblr.com.

  • Júlia Oliveira

    Adorei! Muito bom o texto! Eu sempre me interessei por essas coisas, já li diversos livros sobre o assunto, já tentei fazer meu mapa astral, aprender quiromancia, ih um monte de coisas haha Tenho um tarô de Marselha que é o q mais tenho afinidade, e é ótimo ler um texto qje trata disso de um jeito natural, e não como se fosse bobeira ou fora do alcance. Parabéns, adorei!

  • carine ferreira

    É o que tento dizer para todo mundo quando falo que estudo tarot, mas ninguém entende já desisti hahaha
    Acho que as pessoas querem tantas respostas prontas e soluções milagrosas que se esquecem da principal parte (melhor na minha opinião) que é a jornada, o autoconhecimento compensa mais que qualquer resposta milagrosa 🙂

  • Pingback: Ímãs para inspirar e mudar perspectivas - Capitolina()

Sobre

A Capitolina é uma revista online independente para garotas adolescentes. Nossa intenção é representar todas as jovens, especialmente as que se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência, mostrando que elas têm espaço para crescerem da forma que são.

Arquivos