13 de outubro de 2015 | Estudo, Vestibular e Profissão | Texto: | Ilustração: Gabriela Sakata
Se jogar ou estudar pro vestibular? Incertezas sobre o mundo depois da faculdade
fazer ou não faculdade em tempos de crise_gabrielsakata

Sabe aquela sensação de que mundo vai acabar e você não sabe ao certo se faz o vestibular ou se joga pro universo? É uma sensação de angústia misturada com despertencimento* e vontade de voltar pro útero da mamãe e ficar lá quentinha e protegida de todo o caos desarmônico que é o mundo aqui fora, né? Mas, tenha certeza absoluta, miga, não somos apenas nós duas nesse bonde.

Essa sensação se potencializa justamente quando ainda não temos certeza do que queremos pro nosso futuro (mas afinal, quem tem certeza?), ou temos, mas falta coragem e apoio de quem tá perto. Vender sua arte na praia e ir pro México ou pra Goiás na maloqueiragem parece uma ótima opção, porém não pros mais velhos, e nem pra quem espera ter algum tipo de estabilidade.

Cada segundo perdido vale ouro quando vamos que a cada semana lançam uma teoria mais convincente de que a humanidade está prestes a entrar em extinção. Sem contar das noticias ruins ocupam a maior parte dos nossos espaços de convivência, quando ligamos o computador, nos almoços de familia, nos pontos de ônibus e quando estamos em sala de aula. E paralelamente a essas noticias, ainda existe uma pressão imensa pra ser alguém nesse mundo.

Como eu disse, esse emaranhado de crises acontece justamente quando não sabemos o que realmente queremos pro futuro, e sempre rola uma cobrança imensa de praticamente a maioria das pessoas (familia, professores e até amigos) pra que saibamos logo isso. Mas afinal, quem sabe? A maioria das vezes achamos que estamos sozinhos, ou que somos os únicos com esse festival de incertezas e angustias em relação o que vai acontecer depois de manhã na nossa cabeça, mas na verdade somos vários entre milhões. A maioria das pessoas tem essas incertezas e essas inseguranças, e esse é um motivo pra você e eu ficarmos mais tranquilos.

Como sobreviver a tudo isso?

RESPIRA! Talvez o mundo não acabe tão cedo, mas mesmo se acabar, é bom ter ciência que a única pessoa que pode trilhar algum caminho na sua vida é você mesmo. E isso não é motivo para arrancar os cabelos.

Escolhendo o curso: Faça o máximo para fazer o que gosta

É importante fazer o gosta, e dar um pouco de prioridade pra isso. Sabemos que muitas vezes fazer o que gosta é um privilégio . As vezes você já sabe até o curso que quer mas o mercado de trabalho pra ele não tá tão legal, ou nem da aquela estabilidade que você quer, ou precisa. Em alternativa a isso: Tente fazer algo que te dê liberdade para fazer o que gosta também! Ou seja, ter horas livres pra jogar conversa fora com as migas, ver séries, vlogs ou jogar um futebol é MUITO importante.

Quero me jogar no mundo, mas alguém quer que eu faça facul. O que fazer?

Já te disse que a pessoa melhor capacitada pra escolher, trilhar caminhos ou escolher qual segui-lo em sua vida é você mesma? ENTÃO SE JOGA! Não perca tempo fazendo algo que você não gosta ou que não sente algum interesse.

Apesar de nossos responsáveis terem mais experiência por terem vivido mais tempo, que as vezes é importante ouvir-los para evitar certas situações, é ótimo termos as nossas próprias experiências. Se meter em encrencas é péssimo, mas é necessário, e nos ajuda a entendermos melhor a como fazer o que queremos fazer. Todas — ou a maioria — das situações boas e ruins dessa vida podem se tornar em experiencia e aprendizado.

Isis Naomí
  • Conselho Editorial
  • Coordenadora de Ciência & Tecnomania
  • Colaboradora de Saúde
  • Colaboradora de Educação
  • Colaboradora de Sociedade

Sobre

A Capitolina é uma revista online independente para garotas adolescentes. Nossa intenção é representar todas as jovens, especialmente as que se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência, mostrando que elas têm espaço para crescerem da forma que são.

Arquivos