11 de julho de 2015 | Ano 2, Edição #16 | Texto: | Ilustração: Lila Cruz
Segredos em relacionamentos: contar ou não?

Uma das regras mais tradicionais – e também um mito – que se costuma mencionar sobre relacionamentos erótico-afetivos é de que é necessário dividir tudo com o outro, manter transparência, pois, sem isso, não se pode ter um relacionamento saudável. Há algumas premissas problemáticas aí: 1) a de que ser transparente é dividir tudo; 2) a de que, logo, não dividir seria desonesto e 3) a de que um relacionamento saudável se pauta na transparência. Nada disso é verdade.

É claro que existe uma relação mútua de alimentação entre ter mais intimidade e dividir mais coisas, contar mais segredos: conforme vamos ficando mais próximas de uma pessoa, mais detalhes sobre nossas vidas dividimos com elas e, quanto mais dividimos, mais próximas ficamos. Por isso mesmo, se você está em um relacionamento e não se sente à vontade para contar a seu respeito e para ser você mesma, há algo errado. Um dos pontos básicos de qualquer relação é se sentir à vontade com a outra pessoa. No entanto, isso não quer dizer que você deva compartilhar absolutamente tudo, sem quaisquer limites.

Certas coisas são pessoais e dizem respeito apenas a você. Essa é uma boa forma de filtrar o que se deve ou não contar. É legal (e honesto) contar aquilo que afeta ou pode afetar diretamente a relação, mas coisas do seu passado ou que aconteceram no seu dia que vão chatear a outra pessoa podem ser evitadas. É claro que, se você sente vontade de compartilhar, não há problema algum. A questão é não se sentir obrigada ou pressionada a contar tudo. Nem tudo precisa ser dito.

Outra questão importante é a manutenção da individualidade de cada um na relação. Por exemplo, o seu celular é seu, a sua conta no Facebook é sua – assim como o celular e a conta no Facebook da outra pessoa são dela. Não há necessidade alguma de compartilhar as senhas, ler mensagens privadas um do outro etc. Não se trata de esconder, mas de estar em uma relação que te inspira confiança o suficiente para que isso não lhe pareça necessário.

Também não faz sentido esconder certas coisas só por orgulho. Abrir-se para o outro é legal. Como tudo na vida, é uma questão de equilíbrio e de se sentir à vontade. Se, para você e para a pessoa com quem você se relaciona não há problema algum em trocar senhas, sejam felizes. Não há regras. Você não precisa contar tudo, da mesma maneira que não precisa esconder tudo só por fazê-lo. As relações são formadas pelas pessoas. Por isso, seja você mesma e faça sempre aquilo que te deixar mais confortável e satisfeita.

Laura Pires
  • Colaboradora de Relacionamentos & Sexo
  • Vlogger

Usa seu vício em séries e Facebook como inspiração para os textos, para a vida e para puxar assunto com os outros. Adora ouvir histórias e conversar sobre gênero, sexualidade, amor e relações amorosas – gosta tanto desses temas que deu até um jeito de fazer mestrado nisso. É professora de inglês, cantora e pianista amadora de YouTube, fala muito, ri de tudo e escreve porque precisa. Ama: pessoas e queijo. Detesta: que gritem.

Sobre

A Capitolina é uma revista online independente para garotas adolescentes. Nossa intenção é representar todas as jovens, especialmente as que se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência, mostrando que elas têm espaço para crescerem da forma que são.

Arquivos