7 de junho de 2014 | Relacionamentos & Sexo | Texto: | Ilustração:
Ser você mesma ou ficar sozinha? ( ou sobre por que uma coisa não exclui a outra)
Ilustração de Clara Browne
Ilustração de Clara Browne

Ilustração de Clara Browne

Antes de começar a falar sobre o tema com as minhas palavras, sugiro que vocês leiam este quadrinho

 

Traduzindo: “Ela tinha pele azul / E ele também. / Ela a mantinha escondida / E ele também. / Eles procuraram por azul / A vida toda / Então passaram um pelo outro / Sem nunca saber.”, de Shell Silverstein (imagem encontrada no tumblr)

Ok. Segura ele na cabeça e vem comigo.

Eu não sei quem foi que ensinou pra gente que às vezes vale a pena abrir mão de um pedaço da nossa personalidade por causa de um relacionamento. Não estou falando daquelas mudanças necessárias e saudáveis, como, por exemplo, quando a pessoa que é muito ciumenta tem uma namorada que se incomoda com isso e tenta superar o seu “ser ciumento”; ou então um namorado faz muita questão que seu namorado, que é muito tímido, conheça seus pais e, para isso, o menino mais tímido tenta se esforçar para deixar de ser tão tímido para conversar com os pais do outro.

 Estou falando de mudar seus gostos, sua aparência, fingir que gosta de uma coisa ou esconder que gosta de outra, de agir como uma pessoa super séria quando se é muito falante, esse tipo de coisa, sabe? Se você já viu o filme Grease, deve lembrar que ele é muito engraçadinho, as músicas são legais, mas que rola uma romantização do mudar-quem-você-é-por-causa-de-outra-pessoa. Por que a Sandy abriu mão do seu jeito quieto e certinho por um cara que tinha vergonha dela do jeito que ela era? Ah não, gente! Nananinanão. Se tem um tipo de pessoa por quem ela não devia mudar era ele! Tá, desculpa. Voltando. O ponto é: será que faz sentido mudar quem se é por causa de uma pessoa? Será que é justo Sandy fazer isso com ela mesma? Será que é justo que façamos isso com a gente mesma?

Sabe aquela história de “opostos se atraem”? Calma, calma. Também acho que, a princípio, é bobeira. Mas em algum grau existe uma verdade nisso: se você é exatamente igual à pessoa com quem você se relaciona, que graça tem? Quais serão as coisas que a pessoa vai olhar em você e vai fazer ela rir e pensar no quanto você é incrível se tudo o que você fizer e disser e gostar ela já vai ter visto antes (muitas vezes no próprio espelho)? Como vocês vão crescer juntos se têm a mesma personalidade, mesmos gostos, mesmas ideias? Uma coisa que me encanta em relacionamentos é que nunca vai esgotar o número de coisas novas que uma pessoa vai descobrir na outra ou com a outra. Ser diferentes significa conversar com pessoas diferentes e apresentar para a namorada ou o namorado gente nova, filmes novos, músicas novas, coisas novas!

Mas chega de falar dos outros. Vamos falar de você! Porque se é ruim para o outro e para o relacionamento que você se modifique toda por causa do outro, é mais doído ainda para você se esconder atrás de algo que o outra pessoa gostaria que você fosse.

Porque cansa. Por experiência própria vou te falar que cansa. Cansa acordar todos os dias sabendo que você vai ter que fingir e atuar. E isso não vale só para relacionamentos amorosos, mas para qualquer outro. Quando eu era mais nova, eu não tinha muitos amigos na escola e só fui fazer depois de bastante tempo. E eu me sentia intimidada pelo grupo de meninas com quem eu andava. Ao mesmo tempo, me sentia excluída mas percebi que isso ficava menos ruim  se eu ficasse quieta. Eu não falava muito, não fazia piadas e não me deixava rir livremente, só me permitia dar uma risadinha não-vergonhosa. E qualquer pessoa que passar 5 minutos comigo hoje sabe que isso vai contra a minha natureza. Não sei se na época eu percebia isso ou não; só sei que, quando eu me dei conta, isso me incomodou. É capaz que as meninas nem fizessem isso ou que não fizessem por mal, mas era como eu me sentia. Por muito tempo preferi me sentir assim a ser vista sozinha durante o intervalo.

Só que em algum momento eu cansei disso e percebi que preferia ficar sozinha a ter que me esforçar tanto – e por tanto tempo – para ser querida! Depois disso, depois dessa luz que tive, conheci, na escola, as pessoas que levo comigo até hoje. Justo quando eu resolvi ser eu mesma eu encontrei pessoas que até hoje, 3 anos depois de sair do Ensino Médio, são as que me entendem e com quem posso ser eu mesma.

Agora, lembra do quadrinho? É isso aí. Gata, quando você não é você mesma, vai atrair para si pessoas que são parecidas com a “você” não-verdadeira, e será que você vai gostar dessas pessoas? Pode até ser que sejam pessoas legais, ou com quem você gostaria de se dar bem e de ser amiga, mas existem muitas pessoas legais que vão te aceitar como você é. Acredite quando eu digo que amizade ou namoro nenhum faz valer a pena abrir mão de você mesma. Nem popularidade, nem necessidade, nem pressão. Porque uma hora você vai se cansar, ou, pior, se perder e até esquecer quem realmente é!

Existem umas 7 (nunca sei se é esse mesmo o número) bilhões de pessoas no mundo. Alguém vai combinar com a sua personalidade. Na verdade, não é ousadia dizer que muitos e muitos alguéns vão combinar. Não só como namorados e namoradas, mas como amigos e amigas também. E se a gente for pensar só nos namoros, você vai querer se modificar (se disfarçar) a cada novo relacionamento?

O que quero dizer é: você tem umas mil qualidades (deve ser esse mesmo o número) . E quando você as esconde porque alguém acha que são defeitos, outra pessoa vai sentir falta delas. Por que tentar ser outra pessoa e se transformar para agradar alguém que só está feliz se você for alguém que não é? Só vai te prejudicar, te cansar, e você não vai conseguir fingir para sempre. E o mundo ao teu redor será prejudicado porque você não vai deixar que ele conheça uma pessoa única, incrível, irada e fofinha (você é fofinha que eu seeeeeeeei) para mostrar para ele uma pessoa padronizada, que já existe, por quem ele já está esperando. E você vai estar tirando de si mesma a chance de conhecer alguém (ou alguéns) incrível, que você vai adorar e que te entenderá e aceitará. Pode crer que ela existe. Mas atrás da máscara ela nunca saberá que você (também) é azul!

 

Beatriz Trevisan
  • Cofundadora
  • Colaboradora de Relacionamentos & Sexo
  • Colaboradora de Música

Bia, 23 anos (mas todo mundo acha que ela tem 13), feminista interseccional e estudante do último ano de direito. Talvez queira seguir na área, mas seu sonho de verdade é ser cantora e escritora. Se bem que, se fosse possível, largava tudo isso e se tornava Mestre Pokémon pra ontem.

  • Li

    Adorei! Eu mesma passei por isso (em amizade e não em namoro).

    Mas, olha, acho que esse problema de mudar o próprio estilo de vida atinge muito mais os meninos do que as meninas. costumamos ser mais seletivas do que eles. rsrs

  • dai

    Eu me identifiquei tanto com esse texto, mas tanto. Amei.

    • http://biadrill.tumblr.com/ Beatriz Trevisan

      Fico muito feliz que tenha te confortado, Dai <3

  • Aruan Pedro Castro Aleixo

    Bia, adorei sua abordagem do tema.
    Penso muito sobre relacionamentos, principalmente por já ter me flagrado a perguntar quem eu era depois de me dedicar ferozmente a me adaptar. Literalmente, em uma certo momento da minha vida, eu tive consciência de que eu não sabia quais eram as características que constituíam a minha personalidade.
    Bizarríssimo.

    • http://biadrill.tumblr.com/ Beatriz Trevisan

      Ooooo Aruan! Quanto tempo! Que bom saber que você leu minha postagem e se identificou. Também já passei por isso (como contei no post), é triste, mas, ainda bem, uma hora a gente tem um baque e passa. É bizarro mesmo o que a gente faz com a gente mesmo pelos outros!

  • victória

    isso é muito verdade. e eu percebi depois de cometer a cagada de querer me mudar pra fazer amizades e depois perceber que a pessoa que eu tinha mudado na verdade tava bem longe de ser aquilo tudo. acredito que a gente tem essa de querer mudar as vezes não só pra se encaixar com o jeito de alguém, mas por vergonhinha (eu não sei se essa palavra existe, mas me deixa hahaha) de ser quem a gente é. mas na real: não tem NINGUÉM que seja tão incrível que você não ache um defeito se quer e que vá te decepcionar.
    e eu achava isso chato, porque queria que fulana gostasse de mim, mas depois de um tempo você percebe que na verdade se sente desconfortável fazendo isso e que não era pra ser mesmo. todo mundo tem defeitos e aqueles que tem qualidades parecidas com as suas você vai se encaixar naturalmente, os que não, não era pra dar certo mesmo.

    aprendi a me valorizar em nome da minha confortabilidade <3
    btw, esse texto meio que me lembrou um pouco o filme "medianeras", principalmente a introdução com o quadrinho. indico!

    • http://biadrill.tumblr.com/ Beatriz Trevisan

      Oi Victoria!! Não conheço o filme, fiquei com muita vontade de ver! E eu entendo totalmente o que você tá falando, como deu pra perceber pelo texto, né? Eu tenho muito essa síndrome de que todo mundo tem que gostar de mim e isso acabou me afetando muito nesse sentido, de querer esconder meus defeitos, mas é isso que você falou: defeitos todo mundo tem e a gente acaba mudando por alguém que acha que é incrível e perfeito(a) e quando vai ver essa pessoa tem defeitos também! Obrigada pelo comentário e pela indicação <3

      • victória

        por nada!! você é muito querids <3

  • Pingback: Sobre não pertencer | Capitolina()

  • cristiane

    mas e quando se está cansada de ficar sempre sozinha? e quando quem eu realmente sou não agrada absolutamente ninguém?

    • http://biadrill.tumblr.com/ Beatriz Trevisan

      Cristiane, eu já me senti como você está se sentindo agora também. Por isso, sei que eu, sendo ainda por cima uma pessoa que não te conhece, dizer pra você coisas como “tenho certeza de que você é incrível e de que isso é uma fase” (apesar de acreditar de verdade nisso!!) não vai ajudar você a não se sentir assim. Seu sentimento não é nada bobo e é muito válido, eu sei porque já me senti assim. Só quero te dizer que melhora, e que essa sensação vai acabar. Como eu disse no texto, tem muita gente no mundo (olha só, você achou alguém que já sentiu o que você tá sentindo e nem foi tão difícil assim!), muita gente que entende o que você tá sentindo e que vai gostar de você pelo que você é. Se você quiser conversar pode me adicionar no facebook e me mandar um inbox ou me mandar um e-mail (biamtrevisan@gmail.com). <3

  • Pingback: Sobre mudanças e se afastar (ou não) dos amigos | Capitolina()

Sobre

A Capitolina é uma revista online independente para garotas adolescentes. Nossa intenção é representar todas as jovens, especialmente as que se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência, mostrando que elas têm espaço para crescerem da forma que são.

Arquivos