29 de agosto de 2015 | Relacionamentos & Sexo | Texto: | Ilustração: Beatriz Leite
[SÉRIE VISIBILIZAR] 10 respostas a 10 perguntas frequentes sobre lésbicas

Nós, meninas que beijam meninas (não necessariamente lésbicas), somos frequentemente importunadas com perguntas inconvenientes que muitas vezes nem merecem ser respondidas, mas eu entendo que há pessoas que realmente não entendem e perguntam porque querem conversar e passar a entender. Ainda há, também, as meninas que sentem atração por outras meninas e têm certas dúvidas — se você que está lendo for uma delas, estamos entre migas. Já passei por isso, te entendo e tô aqui pra ajudar.

Pensando nessas garotas e em tudo que já vivi desde que me assumi lésbica, resolvi fazer uma pesquisa nas redes sociais. Pedi às meninas (um beijo pra todas que colaboraram) que me contassem as perguntas que já ouviram sobre o assunto e fiz uma seleção das mais estúpidas, frequentes e/ou pertinentes. Assim, você já fica sabendo o que responder se te perguntarem e, de quebra, ainda tira suas dúvidas.

É com muito prazer e orgulho que apresento a vocês, no #DiadaVisibilidadeLésbica, da série “Visibilizar” da Capitolina: o FAQ* Lésbico!!
(AVISO: este texto pode conter altas doses de sarcasmo, é importante saber identificá-lo.)

#1 Quem é o homem da relação?

Vou te contar um segredo secretíssimo, senta pra ler senão você vai cair pra trás: num relacionamento lésbico não existe homem!! Inclusive, pras minas que curtem outras minas, o barato de ficar com minas é justamente FICAR COM MINAS! Chocante, não?
Vou até colar a definição do Google aqui pra você:
lés.bi.ca (substantivo feminino): mulher que tem preferência sexual por ou mantém relação afetiva e/ou sexual com outra mulher.
Alguém falou em homem na relação? Não? Ah…
Sarcasmos à parte, a gente sabe o que as pessoas geralmente querem dizer com “homem da relação”, né? Este “””homem””” seria a pessoa “ativa” no sexo, quem faz a penetração, porque parte da ideia de que precisa haver um pênis pra “validar” o sexo, digamos. Primeiro que nem todo homem tem pênis e nem toda mulher tem vagina, né, e mesmo se for um casal de mulheres cis — sexo lésbico não deixa de ser sexo só porque ~não dá pra reproduzir a espécie~.
Isso de ativa/passiva também varia muito, tem mina que gosta de ser só ativa, tem mina que gosta de ser só passiva e tem mina que gosta dos dois (também conhecidas como “versáteis”)… Mas isso é um detalhe da relação que elas não devem a ninguém.

#2 Por isso que você tem cabelo curto?

Como eu responderia a essa pergunta: com certeza! Aliás, eu corto uma vez a cada dois meses pra não dar confusão, porque se a ponta chegar no ombro eu começo a parar de sentir atração por meninas, aí vou querer largar minha namorada e imagina só o trabalho que ia dar…
Mas você pode querer ser mais educada e perguntar à pessoa o que o corte de cabelo pode ter a ver com as pessoas que você beija. Ou só dizer que não, mesmo. Porque realmente, uma coisa não tem nada a ver com a outra (de onde as pessoas tiram essas coisas, gente? Ai, deusa, dai-me paciência).

#3 Você queria ser homem? / Tem certeza [de que é lésbica]? Você é tão feminina…

GENTE????? Até quando as pessoas vão achar que orientação sexual tem alguma coisa a ver com identidade de gênero?
Olha, eu nem vou demorar muito nessa aqui pra fazer uma propaganda da capitolinda Maria Clara Araújo, que escreveu sobre aqui na coluna de Relacionamentos & Sexo.
A segunda pergunta desse tópico já me foi feita diversas vezes. É que assim, eu tô bastante enquadrada no estereótipo “mocinha” — eu adoro rosa, às vezes deixo as unhas crescerem, costumo sair maquiada, gosto de usar vestidos, saias etc. Como existe toda essa heteronormatividade que diz que “só homem pode gostar de mulher”, rola muito das pessoas pensarem que lésbicas têm que ser mais ~masculinizadas~ por causa de suas preferências sexuais ditas como “de homem”. Então acontece muito das pessoas se impressionarem quando eu digo que sou lésbica. Mas gente, sério: o gênero das pessoas que você gosta de beijar não diz nada sobre o seu próprio gênero. Gostar de mulher não te faz menos mulher!

#4 Suas amigas trocam de roupa na sua frente?

Essa pergunta é bastante lesbofóbica. Muitas pessoas preconceituosas pensam que, só porque eu sou lésbica, vou querer ficar com toda e qualquer mulher que passar por mim. Mas por acaso mulher hétero quer ficar com todo e qualquer homem do mundo?
Eu disse que gosto de meninas, não que eu quero agarrar todas que aparecem peladas na minha frente. Eu só sou lésbica, gente. Isso não faz de mim uma pessoa louca tarada. Orientação sexual não define caráter.

#5 Mas encaixa? Vocês não sentem falta de nada?

Isso aí geralmente diz respeito a sexo entre mulheres cisgênero.
Mas encaixa sim, e muito! Encaixa na posição da tesoura, encaixa dedo na vagina, encaixa vagina na coxa… tem bastante coisa pra encaixar no sexo lésbico, dependendo da sua criatividade. E se o caso é falta de pênis, eu recomendo passar um dia numa sex shop — lá você encontra vários pênis dos mais variados formatos, tamanhos, cores e preços!

#6 Como você sabe [que não gosta de homem] se nunca experimentou?

Sexo não é que nem jiló pra eu ter que “experimentar” pra saber se gosto.
Pra transar com alguém você precisa querer transar com esta pessoa. Se você não sente atração pela pessoa, você não vai ficar com ela e tampouco transar com ela. Ou seja, eu não preciso “experimentar” homem pra saber que não gosto. E jiló é bem nojento, prefiro evitar também.

#7 Então você não quer ter filhos?

Outra pergunta nada a ver. Eu não preciso estar num relacionamento hétero pra ter filhos! Se um dia eu estiver muito apaixonada por uma mulher e quiser ter filhos com ela, tem vários jeitos que a gente pode dar — inseminação artificial, adoção…
Dã.

#8 Você não abre nenhuma exceção?

A princípio, NÃO. Essa pergunta é bem parecida com a #6, e a resposta também: não é questão de acordar um dia pensando “nossa, que vontade de beijar um homem hoje! Vou abrir uma exceção!”, porque orientação sexual não é uma escolha. Se eu me sentir atraída pelo moço e quiser ficar com ele, beleza, mas não é fazendo essa pergunta idiota que eu vou querer.

#9 Então [se você só transou com meninas] você é virgem?

Como se hímen determinasse virgindade, né.
Hímen é só uma coisinha que pode ou não ser rompida. Tem mulher que não perde o dela até ter um parto normal, tem mulher que tem hímen complacente — que é como se fosse um hímen elástico que pode nunca se romper, ou seja, seguindo essa lógica, essas mulheres morrem virgens, né? Elas podem transar à beça durante a vida toda, mas se o hímen não rompe, é virgem!

#10 Você usa camisinha no dedo?

Infelizmente, não temos acesso a muita informação sobre a segurança sexual das mulheres lésbicas. Muitas têm dúvidas sobre como se proteger e, realmente, é muito difícil de encontrar informações e ainda não vimos interesse do governo em mudar isso.
Eu mesma não sabia muito sobre, por isso fiz uma pesquisa e encontrei no Sapatômica (um superbeijo pras lindas desse blog maravilhoso!) uma matéria sobre isso. O link vai no final deste texto, mas vou dar uma resumida no que encontrei por lá.
Ao contrário do que as pessoas pensam, mulheres cis lésbicas também estão sujeitas a DSTs. “Para Elvira Filipe, psicóloga e gerente da área de prevenção do Programa Estadual DST/Aids do Estado de São Paulo, o sexo oral é o que oferece maiores riscos de contração de DST’s. ‘Algumas dessas doenças encontram na mucosa da boca uma porta de entrada para o micro-organismo. Por isso, também recomenda-se não fazer sexo oral logo após ter escovado os dentes ou ter usado fio dental: pode se ferir a gengiva, o que facilita a transmissão de algumas infecções’, comenta.”
É essencial estar sempre ligada na higiene básica: lavar as mãos antes do sexo, manter as unhas sempre limpas, usar camisinha nos vibradores e sempre lavá-los depois com sabonete antibacteriano.
Quanto à camisinha no dedo: SIM! Os profissionais de saúde recomendam dedeiras ou luvas de látex, o que não é muito sexy e pode incomodar por precisar de muita lubrificação. Por isso, a menos que você e sua parceira não tenham nenhuma doença sexualmente transmissível, usem camisinha! Já vêm lubrificadas, há muitas opções de texturas e sabores e são distribuídas gratuitamente em qualquer posto de saúde público.
No sexo oral, recomenda-se o uso de filme plástico para proteger a entrada do canal vaginal e do clitóris. Eu nunca tentei, mas ouvi dizer que é muito desconfortável e difícil de usar, logo a camisinha torna-se novamente necessária — há até camisinhas próprias pra língua, eu procurei algumas e custam em torno de 15 reais em sex shops. A aparência é meio estranha, mas elas têm texturas diferentes e acho que pode ser uma experiência bem interessante.
E, claro, é indispensável ir ao ginecologista regularmente, fazer exame preventivo duas vezes ao ano e informar seu/sua médico(a) sobre sua orientação sexual.
Link da matéria no Sapatômica.

Curtiu? Compartilha cazamiga! E comenta aqui embaixo suas histórias, as perguntas que já te fizeram, como você respondeu, ou se você responderia diferente alguma dessas que eu falei!

*FAQ: do inglês “Frequently Asked Questions”, pode ser traduzido para “Perguntas Frequentemente Feitas” (PFF) ou “Perguntas Frequentes” (PF).

  • Colaboradora de Relacionamentos & Sexo

  • Laura Miranda

    oi sheila, obrigada por comentar e criticar.
    nao quis me colocar dessa maneira, mas agora q vc apontou isso vejo como é problemática a forma com q me expressei. nao queria em momento algum dizer q temos corpos incompletos, concordo com vc e acho q nao precisamos de mais nada além de nossos corpos p termos prazer. só falei isso pra reforçar que no sexo (no geral, mas nesse caso entre mulheres) a gente é livre pra experimentar o q quisermos e, se o caso é querer tentar um pênis, não são só homens que podem nos prover isso.
    muito obrigada pela crítica e me desculpa se a ofendi.

    • Kay

      Lacrou com a resposta parabéns !!!!

Sobre

A Capitolina é uma revista online independente para garotas adolescentes. Nossa intenção é representar todas as jovens, especialmente as que se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência, mostrando que elas têm espaço para crescerem da forma que são.

Arquivos