28 de fevereiro de 2015 | Relacionamentos & Sexo | Texto: | Ilustração:
Socorro, não sei fazer amizades!
Ilustração: Clara Browne

Quando eu estava no C.A. – o que hoje é o primeiro ano do Fundamental, se não me engano –, os alunos recebiam uma espécie de boletim que, em vez de notas, continha comentários da professora sobre o que precisávamos fazer melhor. A maioria das crianças levou para casa papéis com comentários do tipo “praticar mais adições” ou “treinar a leitura”, mas eu cheguei para os meus pais com a seguinte declaração: “Precisa melhorar nas amizades.” Aprendi a ler aos quatro anos, não tinha problema com matemática até me aparecer trigonometria muitos anos depois, mas eu não era suficientemente sociável. Gostava de passar o recreio lendo quietinha, ou no máximo conversando com minha única amiga da época. Só que eu gostava, também, de fazer o que os professores queriam, então, depois deste bilhete, me esforcei e resolvi aprender a fazer amigos.

Hoje em dia acho que é possível dizer que eu tenho um círculo social bem grande. Canso rapidamente de convivência social, prefiro interagir em pequenos grupos e passar boa parte do meu tempo sozinha ou na companhia de uma ou duas pessoas muito próximas, mas mesmo assim dou festas em casa com facilmente mais de cem convidados, e até quando acho que algum evento social meu será um fracasso há uma boa quantidade de presentes. Ou seja: podemos dizer que eu consegui, aos poucos, melhorar nas amizades.

Por isso fui a escolhida (ok, a voluntária) para escrever aqui sobre… como melhorar nas amizades. Mais especificamente, como se aproximar de pessoas de quem você quer se aproximar como amiga. Porque, né, às vezes você conhece alguém, acha a pessoa super maneira, gostaria de ser amiga dela, mas não sabe exatamente como proceder e acaba no máximo timidamente curtindo as coisas dela no Facebook. Eu inclusive faço esse tipo de coisa à beça. Mas para tudo na vida há um jeito, e existem formas de agilizar essa aproximação de amizade. Sem mais delongas, vamos a elas, naquele meu sempre querido formato de listinha:

1. Puxe assunto: prometo que é mais fácil do que parece. Você provavelmente já identificou algum ponto em comum com a pessoa, certo? Ou é alguém que você vê pela internet, ou uma colega da tua turma, ou uma pessoa do teu trabalho que você acha maneira, ou, enfim, qualquer pessoa que você já tenha vagamente conhecido de alguma forma. Então é só identificar esse ponto em comum e puxar assunto a partir dele – perguntar sobre a matéria, pedir ajuda numa tarefa no trabalho, comentar num post que a pessoa comentou… Aí, bem, o esquema é continuar puxando assunto, nem que seja de pouquinho em pouquinho.

2. Aproveite a maravilha que é a internet: se você já teve alguma interação com a pessoa, adicione/siga ela em alguma rede social. Caso a interação tenha sido ao vivo, recomendo adicionar no Facebook, especialmente se a pessoa tem amigos em comum com você; caso tenha sido pela própria internet, adicione na rede social em questão, e aí pode ir adicionando em outras conforme a interação for se tornando mais frequente/a pessoa postar links para outras redes sociais. Aí é simples: curta, comente, interaja. Para muita gente (eu inclusive) é mais fácil interagir com a internet como intermédio, porque não precisa ser tão imediato quanto ao vivo, e dá pra ser uma interação mais casual.

3. Compartilhe com a pessoa coisas que ela vai gostar: você tava lendo uma revista e achou uma parada que aquela colega de turma que você acha maneira com certeza vai curtir? Leva a revista pra ela no dia seguinte no colégio, comenta que você achou aquela entrevista a cara dela. Ou manda uma mensagem (pelo meio de comunicação mais viável) quando passar por uma loja vendendo um vestido que nem o que ela falou que tava super querendo comprar. Ou compartilha pelo Facebook um artigo que tem tudo a ver com o que vocês estavam falando mais cedo na escola. Enfim, sabe essas coisas que você faz com teus amigos? Faça com essa potencial pessoa amiga também, aos poucos a interação se tornará mais orgânica.

4. Chame ela para alguma coisa: fazer isso dá um certo nervoso, que nem quando você chama um potencial peguete para sair, mas é um passo necessário. Pode ser algo mais ou menos casual, e tudo vai depender da abertura que as conversas te derem. Se vocês saem da aula na mesma hora e moram no mesmo bairro, que tal perguntar se ela não quer almoçar com você no caminho pra casa? Se você sabe que ela tá a fim de ver um filme que tá passando, por que não mandar um SMS dizendo que você tava pensando em ver no sábado e tá sem companhia? Ou, se você ficar nervosa com essas coisas mais diretas, que tal convidar para a próxima social que você organizar com teus amigos, só chamando pro evento do Facebook mesmo? A parada é incluir a pessoa em algo que você queira fazer, mas com o mínimo de pressão possível, porque nesse começo de interesse de amizade às vezes pressionar muito a outra pessoa pode ser chato.

5. Organize eventos sociais: às vezes você não quer se aproximar só de uma pessoa, mas de algumas pessoas diferentes, ou de um grupo de pessoas específicas. Para isso, nada melhor do que organizar alguma situação social para a qual você possa chamar toda essa galera e mais uns amigos teus para as coisas ficarem mais confortáveis. Se você é que nem eu, pode dar uma festa temática e convidar todo mundo muito efusivamente. Se você é mais tranquila, só marcar uma noite de lanche + cinema e chamar a galera já pode ser eficiente. A parada é tomar as rédeas do encontro, que aí você pode aproveitar para chamar muita gente que você quer conhecer melhor de uma vez.

Essas são minhas dicas principais para se aproximar de alguém para amizade. E vocês? Como costumam fazer?

Tags:
Sofia Soter
  • Cofundadora
  • Ex-editora Geral

Sofia tem 25 anos, mora no Rio de Janeiro e se formou em Relações Internacionais. É escritora, revisora e tradutora, construindo passo a passo seu próprio império editorial megalomaníaco. Está convencida de que é uma princesa, se inspira mais do que devia em Gossip Girl, e tem dificuldade para diferenciar ficção e realidade. Tem igual aversão a segredos, frustração, injustiça e injeções. É 50% Lufa-Lufa e 50% Sonserina.

  • Josiane Paganini

    Eu sou péssima pra fazer amizade com as pessoas que acho bacana. Se tô em uma fila, tenho a maior habilidade pra puxar assunto com quem está esperando comigo, mas isso só por que sei que nunca mais vou encontrar com a tal pessoa de novo. Dai quando realmente quero fazer amizade com alguém, travo! Morro de medo de conversar, puxar assunto e a pessoa me achar uma completa idiota. #acontece

    • Lorena Zaidan

      Que droga! Também sou assim…

  • Pingback: Recapitulando: Fev. 2015 | Un long chemin()

Sobre

A Capitolina é uma revista online independente para garotas adolescentes. Nossa intenção é representar todas as jovens, especialmente as que se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência, mostrando que elas têm espaço para crescerem da forma que são.

Arquivos