21 de maio de 2014 | Ano 1, Edição #2, Relacionamentos & Sexo | Texto: | Ilustração:
Sonhos molhados: o tabu dos sonhos eróticos
Ilustração: Beatriz Quadros.

Ilustração: Beatriz Quadros.

Texto de Beatriz Trevisan & Gabriella Beira.

Quando estávamos procurando material para escrever esse texto para a Capitolina, percebemos que a maior parte dos textos sobre sonhos eróticos era voltada ao público masculino e, em geral, abordando também a masturbação (bem menos incentivada quando se é mulher). Aí ficamos pensando se, por causa disso, muitas meninas não devem achar que ter sonhos eróticos não é normal para mulheres, que é algo normal só para os homens e que, se temos, há algo de errado conosco. Viemos aqui para falar um pouco sobre esse tipo de sonho, para tirar algumas dúvidas e, principalmente, pra te dizer que eles são, sim, perfeitamente normais!

Sonhos eróticos são sonhos relacionados a sexo e eles geralmente acontecem com maior frequência na adolescência, principalmente por causa dos hormônios. Isso não significa que eles não ocorram em qualquer fase da vida, incluindo a infância e até mesmo a velhice.

É muito comum que, nesses sonhos, o tema seja alguma situação sexual na qual nunca estivemos ou na qual sequer desejamos, enquanto acordadas, estar. Mas que, assim mesmo, causa excitação sexual. Isso ocorre devido aos hormônios humanos e questões complexas que envolvem a nossa psique, uma área cerebral muito estudada e debatida pela psicanálise moderna. Ao contrário do que predominantemente se pensa por aí – que os sonhos são reproduções das nossas vontades mais íntimas –, os sonhos eróticos não são necessariamente um reflexo de uma vontade reprimida.

Além disso, como é natural do corpo humano e inclusive do corpo da mulher, supreendentemente para a visão dominante sobre a sexualidade feminina, os sonhos eróticos causam excitação real. Se você é uma daquelas que não se lembra do sonho ao acordar, um indício de que houve um sonho erótico durante a noite de sono é a lubrificação vaginal ou a ejaculação noturna (que é muito mais abordada pela mídia e pelas conversas informais), devido à excitação sexual durante o sono.

Tendo em vista todo o tabu que ainda carrega a sexualidade feminina, é preciso ressaltar que não há nada de errado em sonhar com coisas que nem pensaríamos em fazer na vida real e, muito menos, existe algum problema em ter sonhos eróticos. Afinal, todo mundo já sonhou com coisas que não gostaria que acontecessem de verdade ou que não faziam o menor sentido dentro do contexto da nossa vida, e o mesmo se aplica aos sonhos eróticos. Por fazer parte de um universo pouco dominado pela razão, a psique e os sonhos estão pouco ou quase nada submetidos ao nosso controle. De qualquer forma, não sinta que você deveria reprimir a ocorrência de sonhos eróticos porque eles são parte extremamente natural do desenvolvimento psíquico de todas nós. Quase todas têm ou terão esse tipo de sonho e é apenas uma das várias formas que a nossa sexualidade encontra para se manifestar.

E por falar em sonhos eróticos e sexualidade feminina, que tal conversamos um pouco sobre… masturbação? Isso mesmo, não fique envergonhada! Seguindo na temática da excitação sexual causada pelos sonhos eróticos, decidimos que é importante ter também uma conversa franca (que vai ser retomada e aprofundada em outros momentos aqui na Capitolina) sobre essa prática tão desencorajada nas meninas, mas plenamente disseminada entre meninos.

É muito comum entre garotas adolescentes relatos de que a masturbação era uma prática comum em nós desde a infância, mas que foi reprimida conforme fomos crescendo. Quem não se lembra de estar se tocando dentro da calcinha quando a mãe dá uma típica bronca do tipo “Ei, tira a mão daí! É feio! Você é uma mocinha!”…? Dessa forma, a sexualidade feminina recebe seus primeiros cabrestos no ambiente familiar, que são reforçados na escola, nos círculos de amigos, pela mídia e pela sociedade como um todo, porque tudo o que envolve o prazer feminino é culturalmente tido como “errado”.

No entanto, como os sonhos eróticos, a masturbação é parte natural e essencial para o desenvolvimento de qualquer pessoa! É se masturbando que você terá os primeiros contatos com sua própria sexualidade, contribuindo para que você crie mais intimidade consigo mesma e esteja cada vez mais ciente do que te agrada ou não em termos de estímulo sexual. Dessa forma, desenvolve-se mais segurança e autoconhecimento, necessários para uma vida sexual saudável, onde você saiba seus limites e consiga deixá-los claros para seus parceiros futuros, além, é claro, de saber aproveitar melhor os estímulos que te agradam.

A masturbação é um ato de extrema intimidade com você mesma e com seu corpo. Portanto, ela deve ser praticada em momentos de privacidade, onde você esteja confortável para se tocar e explorar seus pontos de prazer, sem interferências externas que possam te causar vergonha ou culpa. Nunca se esqueça de que não há nada de escuso, degradante ou pervertido em se masturbar – muito pelo contrário. O corpo é seu, ame-o!

E aí, o que acharam? Ficou com alguma dúvida ou inquietação? Fale com a gente!

Gabriella Beira
  • Coordenadora de Escola, Vestibular & Profissão
  • Colaboradora de Relacionamentos & Sexo

Gabriella Beira é formada em Relações Internacionais e, como qualquer "internacionalista" (é assim que se chama a pessoa que estuda RI), quer conhecer o mundo todo e, se possível, mudar o mundo. Gosta muito de falar sobre educação, cultura, sociedade e feminismo, mas seu hobby mesmo é jogar Plants vs Zombies. É impaciente, procrastinadora, irmã mais velha e aluna mediana.

  • Pingback: A vagina: masturbação, vaginismo e o ginecologista | Capitolina()

  • rafael

    gostei bastante do que vcs falam ,não é o primeiro tema que eu leio e que admiro ;achei mto bom pois informam pessoas e além de tudo vcs me ajudaram! parabéns pelo vosso trabalho e continuem e por nunca ter-vos elogiado decidi comentar mais uma vez parabéns !

  • http://www.revistacapitolina.com.br/ Revista Capitolina

    Miih, tudo bem? Que bom que nossa revista está te ajudando!
    Não se preocupe, é natural acordar assim, mesmo que você não se lembre de ter tido sonhos eróticos!

Sobre

A Capitolina é uma revista online independente para garotas adolescentes. Nossa intenção é representar todas as jovens, especialmente as que se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência, mostrando que elas têm espaço para crescerem da forma que são.

Arquivos