21 de agosto de 2015 | Culinária & FVM | Texto: | Ilustração:
Uma composteira para chamar de sua!

Não é difícil perceber que no mundo em que a gente vive há uma péssima distribuição de alimento. A gente sempre ouve falar da fome nos países mais pobres, ao mesmo tempo em que sabemos que há um desperdício absurdo de comida em tantos outros lugares. Pra vocês terem noção, quase 40% do nosso lixo é composto por resíduos orgânicos! O problema não é a falta de comida, mas a falta de distribuição dela. E enquanto não rolarem politicas mais efetivas para diminuição da pobreza, um monte de gente, em um monte de lugar, vai passar fome. São dados tristes, eu sei, mas o que a gente pode fazer? Eu já bolei um montão de planos megalomaníacos, mas ainda não obtive sucesso e concluí que por hora eu posso fazer um trabalho de formiguinha e torcer pra que a tendência seja uma mudança nos hábitos da população mundial, e politicas públicas efetivas contra a fome no mundo comecem a se tornar uma realidade cada vez maior.

Tá, mas e agora, por onde a gente começa? Bom, eu acho que um bom jeito de começar é reciclando os alimentos com uma composteira caseira! É muito fácil de fazer, cabe em qualquer casa e é um jeito super maneiro de usar o “lixo’” para produzir um chorume do bem, que serve como adubo e pesticida pra outras plantas.

A composteira funciona assim: são três andares; o primeiro é onde vai ficar o subproduto da compostagem, que é o chorume; o segundo fica com terra e humus; e o último fica com terra, humus, resíduos orgânicos (como frutas, sementes e casca de ovos) e uma camada de serragem ou palha por cima. O segundo e terceiro andares fazem um revesamento entre si, enquanto o terceiro andar vai enchendo. Explico melhor lá no final.

Para fabricar a nossa composteira a gente vai precisar de:

– 3 baldes, ou um gaveteiro, ou qualquer recipiente grande que encaixe com outro na vertical
– 1 torneira dessas bem simples, de plástico
– terra
– humus de minhoca
– minhocas
– fita isolante
– algo pra furar os baldes, eu usei um prego quente, mas pode ser solda ou furadeira (são jeitos bem mais fáceis)

Então vamos lá:

1. Faça um furo do tamanho da rosca da torneira em um dos baldes.

001

2. Encaixe a torneira.

002
3. Fure todo o fundo dos outros dois baldes. Eu usei um prego quente, mas dá pra usar uma furadeira ou uma solda. É bom lixar os furos pra quando as minhocas forem colocadas elas não se machucarem. *ESSA PARTE PODE SER UM POUCO PERIGOSA, ENTÃO CUIDADO PRA NÃO SE QUEIMAR* Se você não estiver segura, peça ajuda de uma pessoa mais velha, ou de um amigo que entenda mais do assunto.

003

4. Corte o E.V.A em fitas e enrole em volta do balde. Assim dá pra criar um novo encaixe, que serve pra dar mais espaço entre um balde e outro quando eles forem empilhados.

004 005

5. Tem que ficar assim:

006

 

007

6. Agora é só encher os baldes 1 e 2 com húmus e terra.

008 009

7. Coloque resíduos orgânicos. Pode ser restos de frutas e verduras, sementes, casca de ovo, pó de café (com o filtro e tudo), etc. Só não pode colocar carne e algumas coisas que demoram muito pra decompor, como frutas cítricas. Aqui tem uma matéria muito boa sobre assunto, detalhando o que pode e o que não pode ira pra compesteira e o que fazer com essas coisas que não podem. Lembrando que, quanto menor os pedaços, mais rápido vai decompor.

010

8. Cubra com palha, restos de folha ou serragem e tampar.

011

PRONTO! Agora é só esperar uns dias e colocar as minhocas no balde 1. Com o passar do tempo, o balde 1 vai enchendo, e quando isso acontecer é só inverter com o balde 2. Quando os dois encherem, dá pra usar a terra adubada pra fazer uma hortinha maravilhosa (que a Fabi vai ensinar na próxima semana, yay!) O chorume vai descendo pro terceiro balde com o tempo, e aí é só recolher ele e distribuir nas suas plantinhas.

Comentem como ficou a composteira de vocês, se está dando certo, o que pode melhorar etc!

Bárbara Fernandes
  • Colaboradora de Culinária & FVM
  • Ilustradora

Bárbara, 21 anos, vinte vividos na cidade de São Paulo até o dia da fuga pro sul numa tentativa falha de pertencer a algum lugar. Não sabe fazer decisões, medrosa além do normal, odeia usar sapato, sempre lê tudo o que está escrito nas embalagens, gosta de ficar conversando com os gatos e de tomar banho no escuro.

  • Pingback: Horta: Faça você mesma ou... vamos fazer juntas? - Capitolina()

  • Maria Luiza Neves

    Oi Bá, tudo bem? Obrigada por compartilhar esse tutorial conosco, já foi de grande ajuda para quem quer se aventurar no mundo da sustentabilidade e da consciência com o meio ambiente 🙂 Eu tenho uma dúvida: a composteira libera odores desagradáveis? Eu tô tentando convencer a minha mãe a fazermos uma, mas ela bate nessa tecla de odores. Se puder me responder, já terei mais um argumento para convencê-la <3 Beijão!

    • Bab Is

      oii Maria, desculpa a demora pra responder!!!
      então, se vc usar uma tampa bem vedada praticamente nao sai cheiro! quando eu abro a minha só sinto um cheirinho de terra. é bem tranquilo em relação aos odores! espero que sua mamis libere a composteira! beijinhos <3
      babs

Sobre

A Capitolina é uma revista online independente para garotas adolescentes. Nossa intenção é representar todas as jovens, especialmente as que se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência, mostrando que elas têm espaço para crescerem da forma que são.

Arquivos