7 de julho de 2014 | Edição #4 | Texto: , and | Ilustração:
Viajando com pouco dinheiro: um guia
Ilustração: Bárbara Fernandes.

Ilustração: Bárbara Fernandes.

Texto de Laura Pires, Nathalia Valladares e Bárbara Camirim.
Um dos grandes mitos sobre viagens, especialmente para fora do país, é de que é preciso ter muito dinheiro para fazer uma viagem legal. Com pesquisa, planejamento e algumas economias, é super possível viajar de maneira barata. Planejamento é importante, porque te permite montar um orçamento e calcular quanto tempo precisa para juntar o dinheiro necessário. Pense na viagem que gostaria de fazer e em quando poderia fazê-la. Se você, por exemplo, só tem condições de viajar em época de férias ou feriadões, você certamente terá que gastar um pouco mais, por ser alta temporada. Liste os passeios que gostaria de fazer no lugar de destino e pesquise os preços cobrados com antecedência. Muitos sites oferecem pacotes de passeios turísticos, que talvez valham a pena. Tudo isso requer pesquisa. E, para facilitar, separamos algumas dicas para vocês sobre formas de economizar em uma viagem.

COMPRANDO AS PASSAGENS

O primeiro gasto com o qual você precisa se preocupar é o das passagens, afinal, é com elas que você vai poder chegar ao local de destino e voltar pra casa depois. Hoje em dia, as passagens aéreas são muito mais baratas e, embora a gente costume achar que viajar de ônibus é mais barato, muitas vezes não é! Especialmente se você conseguir comprar as passagens por promoção. Alguns sites anunciam promoções de companhias aéreas, então é só ficar de olho e esperar uma que sirva para você.

Há também sites que listam, de acordo com as suas especificações, preços de passagens em diferentes companhias aéreas, incluindo tarifas promocionais. É sempre bom conferir o mesmo trecho nas mesmas datas tanto nesse site quanto no site da companhia aérea. Muitas promoções são feitas especificamente para um site ou outro e, pesquisando em um só, você acaba não sabendo de alguma.

Outro macete é o horário do dia. Entre meia-noite e 8h da manhã, as passagens tendem a ser bem mais baratas nos sites de companhia aérea, pois é quando vencem as promoções de agências de viagens e as companhias tentam vender as sobras. Experimente!

Se você tem dias flexíveis, a maioria dos sites de companhia aérea permite ver as tarifas nas datas próximas (cerca de três dias antes ou depois dos que você marcou). Às vezes, a diferença de preço de um dia para o outro é de metade do valor, então, é bom ficar atenta.

Caso sua viagem inclua mais de uma cidade, além do avião, trens e ônibus são transportes alternativos que podem sair mais baratos. E, no caso do trem, além de mais barato, também tem uma velocidade razoavelmente melhor que ônibus. Vale a pena ver se a viagem entre duas cidades pode ser feita de trem, que também conta com promoções boas de passagem e uma vista maravilhosa da sua janela.

HOSPEDAGEM

Um dos maiores gastos quando se viaja é com acomodação. Além disso, quando chegamos em uma cidade que não conhecemos, corremos o risco de ficarmos perdidos ou de só irmos apenas aos pontos turísticos tradicionais, sem muito contato com os nativos. Por isso, antes de escolher o lugar onde irá se hospedar, pesquise a proximidade do local em relação aos passeios que pretende fazer. Muitas vezes, tentando economizar com hospedagem, acabamos gastando muito mais dinheiro e tempo nos movimentando de um ponto a outro. Tendo escolhido a região onde pretende se hospedar, você agora precisa decidir a forma de hospedagem. Hotéis costumam ser muito caros e, às vezes, é possível encontrar os mesmos serviços em albergues (hostels) por um preço muito mais em conta. Abaixo, falamos um pouco sobre hospedagem em albergues e também sobre uma maneira de se hospedar de graça (isso mesmo!), o Couch Surfing.

Albergue

Existem alguns sites, como por exemplo o Hostel World, que ajudam na hora de escolher um albergue. Eles são bons porque você coloca o local para onde quer ir e a data, e eles listam opções detalhadas, com a descrição feita pelo próprio albergue, a impressão que antigos hóspedes tiveram, o preço e a localização. Você pode pedir para o site ordenar as opções pela disponibilidade, pelo preço ou pela nota dada por outros usuários, de acordo com o que for mais importante para você. Além disso, quando você clica no albergue, as notas aparecem de forma mais detalhada, porque os usuários dão suas opiniões sobre critérios específicos, como limpeza, segurança, localização e atmosfera. Daí você pode escolher quais dessas coisas realmente importam para você. Com quanto mais gente você estiver disposta a dividir o quarto, mais barato vai ser. Para algumas pessoas, um quarto cheio não vale a pena, porque o barulho é maior na hora de dormir, por exemplo. Para outras, cada centavo economizado é válido, mesmo que se abra mão de algum conforto. Cabe a você avaliar o que prefere.

Há quem leve em conta também se o albergue oferece café da manhã e se você pode usar a cozinha, pois isso ajuda a economizar na parte de alimentação. A maioria dos albergues fazem walking tours, que são passeios a pé pela cidade, com um guia que te dá dicas e conta um pouco da história dos lugares importantes. Vale a pena fazê-lo no primeiro dia, para escolher aonde você quer voltar e passar mais tempo nos dias seguintes. O albergue é também um ambiente muito legal para conhecer pessoas durante a viagem. Pesquise bastante que você vai conseguir encontrar o que mais tem a ver com você.

Couch Surfing

Nesse tipo de hospedagem, você fica acomodado na casa de alguém que mora lo lugar de destino, não te cobra nada e muitas vezes te leva para conhecer lugares diferentes da cidade. Embora seja de graça, como se fosse casa de amigo, é legal ajudar com as compras da casa e se mostrar interessada em de fato conhecer quem está te hospedando, afinal, é uma grande gentileza da pessoa abrir a própria casa para alguém que não conhece. Caso seja em um país diferente, também pega bem você levar algo do seu país para presentear a pessoa. Outros lugares do mundo não têm, por exemplo, coisas como paçoca!

É importante também tomar alguns cuidados. O site funciona como uma rede social, na qual cada usuário fala um pouco sobre si, sobre sua cidade e sobre suas possibilidades de acomodação (que podem variar de uma suíte com tudo disponível a um espaço na sala onde você mesma deverá colocar seu saco de dormir). Existe uma parte em que podemos ver os depoimentos de quem já hospedou ou foi hospedado por essa pessoa. Você deve ler com atenção, para ver se ela é confiável e deixou boa impressão em outros antes de fazer o pedido de hospedagem. Esses depoimentos são impossíveis de serem apagados e, por isso, se a pessoa já fez algo ruim ou desrespeitoso com alguém, a denúncia fica ali. Preste atenção também se a pessoa que está oferecendo hospedagem mora com outras pessoas (sobre as quais você não têm referências no site). Se você não se sente segura, é melhor optar por um albergue ou um hotel mesmo.

Existe a possibilidade de marcar encontros com pessoas do site dispostas a passear com você pela cidade, sem que haja necessidade de você ficar na casa delas – e você também pode se oferecer para fazer o mesmo na sua cidade. Daí você pode ficar só em lugares com outras pessoas e ganha uma companhia já mais familiarizada com o lugar. Para quem não está em condições de viajar, mas tem espaço em casa e gosta de conhecer pessoas novas de outros lugares, a experiência de ser uma anfitriã também é ótima. Você acaba fazendo programas que não faria normalmente na sua cidade e às vezes aproveita até para praticar uma língua estrangeira. As mesmas dicas de segurança se aplicam nesse caso. Antes de começar a usar, leia as instruções que o próprio site dá, com as regras de funcionamento e mais dicas de segurança.

ALIMENTAÇÃO

Pode não parecer, mas se deixarmos para comer na rua durante todos os dias da viagem, o gasto acaba sendo bem maior do que poderia ser com umas pequenas extravagâncias. A comida em lugares turísticos tende a ser bem mais dispendiosa do que fora dele. Às vezes, um real a mais pode parecer pouco, mas, se forem adicionados uns aos outros, a soma se torna bem maior. E esse dinheiro poderia ser melhor aplicado em outras ocasiões ou produtos, como mesmo uma lembrancinha.

Uma coisa que ajuda muito na questão monetária é o bom e velho sanduíche. Comprar um pacote de pão de fôrma, uns ingredientes, fazer alguns sanduíches e pôr na bolsa diminui muito os gastos com salgados ou lanches no meio da rua. Restaurantes fast food parecem baratos, mas o sanduíche feito dentro do seu quarto do hotel ou albergue, além de ser bem mais, acaba sendo uma ótima escolha por ser também mais saudável. Biscoitos, barrinhas de cereal, entre outros lanchinhos, facilmente encontrados em mercados e pequenos o suficiente para serem colocados na bolsa, também ajudam na questão de viajar gastando menos. Alguns hotéis e a maioria dos albergues tem cozinhas abertas aos hóspedes, onde pode-se também almoçar e jantar de forma mais barata. Às vezes, comidas congeladas, saladas e grelhados também são opções rápidas e fáceis de se fazer em uma cozinha com grande movimentação de pessoas, como num albergue. É uma boa ideia saber se na sua hospedagem existe esse tipo de facilidade aos hóspedes.

Outra dica importante é comprar água no supermercado. Garrafas de água em hotéis e albergues costumam ser muito mais caras do que no supermercado. Na verdade, no geral, tudo será mais barato no supermercado, então, se você estiver se hospedando por Couch Surfing, poder comprar comida de mercado para cozinhar em casa é mais uma economia para a sua viagem!

TRANSPORTE

Uma coisa boa de procurar sobre a cidade que se vai visitar é sobre como funciona o transporte público. Às vezes, por não conhecermos o lugar, acabamos tendo gastos desnecessários, fazendo de táxi trajetos que seriam muito simples de ônibus ou metrô. Em alguns lugares, existem passes ou vales para um dia inteiro em todos os ônibus ou pelo metrô por um preço menor do que comprar passagens individuais de um trecho a outro.

É bastante comum também algumas cidades oferecerem serviços de ônibus turísticos. Nesses casos, você paga, em um só pacote, os passeios e o transporte entre um lugar e outro. Pesquise se o pacote vale a pena ou se prefere montar seu próprio roteiro.

PASSEIOS

Algumas atrações turísticas são bem caras para quem está viajando com pouco dinheiro. Entretanto, alguns lugares fazem promoções boas, como aquelas de 2 por 1 ou meia entrada para estudantes. Outros dão vouchers (cupons) com porcentagem de desconto em aeroportos, estações de ônibus ou de trem para que os próprios turistas se interessem pelo passeio. Há também alguns passeios que têm preços promocionais em dias e horários específicos. Procure saber sobre isso antes de montar seu roteiro. Vale lembrar que nem sempre os passeios turísticos são todas as coisas legais que se pode fazer numa cidade. Passear pela cidade como se fosse morador também pode ser uma experiência muito gratificante e que não necessita de muito gasto de dinheiro.

LINKS ÚTEIS

AirbnB – Esse site tem a lógica de funcionamento parecida com o Couch Surfing, mas as acomodações são pagas. Vale dar uma pesquisada, porque às vezes são mais baratas que albergues.

Skyscanner – Ótimo site para procurar passagens. Ele procura promoções por períodos longos de tempo, como até um mês, além de procurar as maiores promoções do dia pra qualquer lugar do mundo, e não só um lugar. No final, o site te manda para o site da companhia com o melhor preço e você não paga a mais pela passagem, nem nada.

Booking.com – Site para buscas de hospedagem, com promoções especiais, que você nem sempre encontra diretamente nos sites dos hotéis e albergues. Você pode buscar por lugar, tempo de viagem e tipos de acomodação.

Nathalia Valladares
  • Colaboradora de Culinária & FVM
  • Colaboradora de Cinema & TV
  • Ilustradora

Sol em gêmeos, ascendente em leão, marte em áries e a cabeça nas estrelas, Nathalia, 24, é uma estudante de Design que ainda nem sabe se tá no rumo certo da vida (afinal, quem sabe?). É um grande paradoxo entre o cult e o blockbuster. Devoradora de livros, apreciadora de arte, amante da moda, adepta do ecletismo, rainha da indecisão, escritora de inúmeros romances inacabados, odiadora da ponte Rio-Niterói, seu trânsito e do fato de ser um acidente geográfico que nasceu do outro lado da poça. Para iniciar uma boa relação, comece falando de Londres, super-heróis, séries, Disney ou chocolate. É 70% Lufa-Lufa, 20% Corvinal e 10% Grifinória.

Laura Pires
  • Colaboradora de Relacionamentos & Sexo
  • Vlogger

Usa seu vício em séries e Facebook como inspiração para os textos, para a vida e para puxar assunto com os outros. Adora ouvir histórias e conversar sobre gênero, sexualidade, amor e relações amorosas – gosta tanto desses temas que deu até um jeito de fazer mestrado nisso. É professora de inglês, cantora e pianista amadora de YouTube, fala muito, ri de tudo e escreve porque precisa. Ama: pessoas e queijo. Detesta: que gritem.

Bárbara Camirim
  • Colaboradora de Cinema & TV

Bárbara Camirim tem 25 anos, mora no Rio de Janeiro e acabou de se formar em Comunicação Social. Está aos poucos descobrindo o que quer fazer da vida. Gosta de cinema, séries, literatura e, na verdade, qualquer coisa que envolva ficção.

Sobre

A Capitolina é uma revista online independente para garotas adolescentes. Nossa intenção é representar todas as jovens, especialmente as que se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência, mostrando que elas têm espaço para crescerem da forma que são.

Arquivos