19 de dezembro de 2015 | Relacionamentos & Sexo, Sem categoria | Texto: | Ilustração: Isabela Zakimi Innocentini
Você pode ser feliz num relacionamento sim!

Quando eu era mais nova, algumas frases resumiam a visão minha e de amigas sobre namoros:

“Quem me ama não me quer.”

“Não vai dar certo.”

“Ela — seja lá quem for — é mais bonita que eu.”

“Entrei na friendzone.”

“Só sirvo para ser amiga.”

“Sou feia para namorar qualquer pessoa.”

Há uma pressão desde sempre para que nós, mulheres, nos relacionemos o mais cedo possível. Se você tem 14 anos e não tem um namorado, já pode observar a pressão social para ter um. Então quando acontece, de alguma forma, precisamos segurar tal namoro para que todo mundo saiba que você é capaz. Imagina dar errado? Somos ensinadas a oferecer, e não a receber, qualquer tipo de prazer ao nosso par. O que isso significa? Que normalmente não curtimos o nosso relacionamento, principalmente no começo disso tudo.

Ao longo da minha adolescência acreditei que não seria feliz num namoro. Um medo sem motivo de que haveria traição, ou seria abusivo, ou qualquer coisa de ruim aconteceria comigo. Afinal, era assim que via nos meus amigos e que vivia em ficantes aleatórios.

Confesso: apenas agora, com 26, aprendi que eu posso ser feliz num relacionamento. Claro, mudei, não sou a mesma de como era com 16. Hoje em dia quero ser feliz com meu companheiro. Antes queria namorar apenas por namorar. Até porque tinha 18 e nunca tinha tido um namorado. Conhecia gente com 12 que já tinha tido dois. Acreditem, este não é o melhor motivo para começar qualquer tipo de convivência.

Eu estou escrevendo este texto para dizer a todo mundo que vocês podem sim ser felizes num relacionamento. Não precisa ser abusivo, ser tenso, brigar todo dia e danoso. Pode ser bom, leve e alegre.

“Mas eu não atraio ninguém, sou feia, nunca vou conseguir namorar ninguém assim.” Você não precisa agradar ninguém forçando algo que não queira. Se não tiver sendo legal, tchau. Você precisa entender também que não há apenas pessoas do seu colégio no mundo. Aliás, o mundo tem muita gente. Se ninguém no seu colégio se interessa por você, há seres humanos no curso, no clube, em outros lugares que vão, porque não? E ficar com alguém apenas por pressão social é puramente prejudicial apenas a você, que pode cair na armadilha e acolher condições que não devem ser aceitas de forma alguma. “Mas e se eu não arrumar ninguém?” Há músicas a serem ouvidas, bandas a serem descobertas, amigas para serem abraçadas e bichos para serem adotados. “Mas ele(a) é único(a), nunca mais terei ninguém.” Ninguém é tão único o suficiente para te causar traumas a vida toda. “Mas todo relacionamento precisa ter (insira qualquer situação problemática aqui).” NÃO PRECISA, NÃO. Nenhum relacionamento precisa ser danoso para você. Se está sendo, tem todo direito de dizer tchau e partir para outra. Saibam, a vida dura até uns 70 anos. Você pode querer casar, ficar solteira, transar com três ao mesmo tempo ou nem beijar querer. Em qualquer tipo de relacionamento o respeito ao seu limite precisa ser bem nítido. E nenhuma pressão social pode te fazer mudar de ideia.

“Mas qual o segredo para ser feliz num namoro?” Eu perguntei a algumas pessoas e não existe uma resposta certa. Tem a ver com você, tem a ver com o outro, tem a ver como está agora. Também não é uma fórmula de matemática totalmente exata. O que apenas sei, e sei mais ou menos, é que há sim uma possibilidade da felicidade num relacionamento. E se você está em um e não está bem, precisa entender o porquê. E se não rolou nada contigo até agora, saiba que vai rolar. E que o mundo não tem nada a ver com isso. E novamente, VOCÊ PODE SER FELIZ SOZINHA OU COM ALGUÉM!!! Grite isso ao universo para entender!

 

Bia Quadros
  • Coordenadora de Música
  • Colaboradora de Relacionamentos & Sexo
  • Ilustradora

Bia na verdade é Beatriz e tem 20etantos anos. É do RJ, nunca saiu de lá e é formada em Artes Visuais. Transita entre ilustrações, pinturas, textos, crianças e frustrações. Tudo que está ligado a arte faz, sem vergonha e limite. Já fez algumas exposições, já fez algumas vitrines, vive fazendo um monte de coisa. Uma Metamorfose Ambulante.

  • Letícia Lopes

    Cada texto que passa eu gosto mais dessa revista, hihi ???

  • Ju

    Esse texto chegou no melhor momento pra mim! Engraçado como você pensa que as coisas só acontecem com você, né? Daí vem a Capitolina e mostra que estamos todas no mesmo barco…
    Quando eu pensava em namoro, só pensava em como ele começa e como termina, não via as coisas maravilhosas que podiam acontecer entre esses dois momentos, comecei a mudar há pouco tempo, conhecendo uma pessoa incrível e que me apoia sempre, estilo CaJout, sabe?
    Valeu pelo texto! <3 <3

Sobre

A Capitolina é uma revista online independente para garotas adolescentes. Nossa intenção é representar todas as jovens, especialmente as que se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência, mostrando que elas têm espaço para crescerem da forma que são.

Arquivos