13 de setembro de 2015 | Colunas, Estilo, Se Liga | Texto: | Ilustração: Clara Browne
Zuzu Angel: o anjo, a moda e o protesto

 

Zuleika de Souza Netto, mais conhecida como Zuzu, nasceu no interior de Minas Gerais, mas foi no Rio de Janeiro que ficou famosa por sua moda. Zuzu Angel, cujo sobrenome manteve após se separar do marido americano Norman Angel Jones, ainda hoje é uma referência para a moda brasileira por suas criações que inicialmente eram bem artesanais e, com o tempo, evoluíram para peças mais elaboradas e carregadas de símbolos que não só agregavam valor à roupa como também traziam uma mensagem de protesto contra a ditadura militar.

No início Zuzu confeccionava as peças na sua própria casa, com algumas ajudantes, e sua marca já era conhecida como “a marca do anjo”, em referência ao sobrenome em inglês “Angel”, que em português significa “anjo”. Zuzu, que se denominava designer, e não uma modista (denominação comum na época), mantinha contatos com personalidades importantes no cenário brasileiro, como a ex-primeira-dama Sarah Kubitschek, e conquistava, a cada dia que passava, mais clientes da alta sociedade carioca na década de 1960.

A partir daí, Zuzu não parou mais: ganhou também clientes americanas, como as atrizes Kim Novak e Joan Crawford. Realizava desfiles não só no Brasil, mas também nos Estados Unidos, sendo homenageada pelo Conselho Nacional de Mulheres em 1968 por ser um destaque com seu trabalho. Com o passar do tempo, a designer fez parte do Fashion Group (NY), do International Council of Women. Em 1970 apresentou uma coleção especialmente criada para o mercado norte-americano, e em 1971 tornou a apresentar mais uma. Diferentemente dos chamados “costureiros” no Brasil, Zuzu Angel sabia lidar muito bem com a imprensa e seus negócios, já que sua marca tinha uma importante identidade visual, que não era notada no trabalho de outros.

Já conhecida nacionalmente e internacionalmente, sua marca crescia a cada dia. Entretanto, uma reviravolta acontece na sua vida, e, a partir daí, tudo se transforma nas suas criações. Um dos filhos de Zuzu Angel, Stuart, foi confirmado como um dos militantes mortos pela ditadura no ano de 1971. Ele tinha 26 anos e já estava desaparecido há meses, mas sua mãe nunca cansou de procurar notícias dele, até saber da sua trágica morte. Zuzu resolveu que seu trabalho não poderia deixar de transmitir sua tristeza pela perda de seu filho, massacrado pelo sistema da ditadura militar brasileira.

No mesmo ano da morte de Stuart, ela desfilou em Nova York sua coleção-protesto: vestida com um vestido preto, véu, pingente de anjo no pescoço e cinto decorado com crucifixos, sua veste simbolizava seu luto. Entre as peças da coleção, faixas de tecido preto nos braços das modelos, bordados de anjos, soldados, pássaros, crianças, gaiolas e outros símbolos que remetiam à ideia da ditadura, da morte de seu filho e sua tristeza. O desfile teve uma ampla repercussão na imprensa americana por seu apelo político, enquanto no Brasil tudo passou despercebido na imprensa controlada pela censura, fato que tornou a repetir-se quando, em 1972, Zuzu lança outra coleção de “moda política”.

Mesmo desafiando o sistema político com sua moda, a marca de Zuzu só se expandia, e as estampas exclusivas apareciam em produtos como bolsas, além das roupas. Entre 1973 e 1975 continuou lançando coleções tanto no Brasil como nos Estados Unidos, com lojas em Nova York e Rio de Janeiro. Infelizmente, em 1976 o anjo tem seu fim: Zuzu sofre um acidente de carro, comprovadamente forjado pelo governo militar. O legado que Zuzu Angel deixa, no entanto, não terá seu fim. Sua inteligência, coragem e criatividade atravessaram as barreiras da ditadura e se perpetuam como inspiração para novos designers que hoje buscam identidade para a moda brasileira.

Isadora M.
  • Coordenadora de Ilustração
  • Colaboradora de Artes
  • Colaboradora de Estilo
  • Ilustradora

Isadora Maríllia, 1992. Entre suas paixões estão: Cookie Monster, doces, histórias de espiãs (como Harriet The Spy e Veronica Mars), gatos e glitter. No entanto, detesta bombom de abacaxi e frutas cristalizadas.

Sobre

A Capitolina é uma revista online independente para garotas adolescentes. Nossa intenção é representar todas as jovens, especialmente as que se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência, mostrando que elas têm espaço para crescerem da forma que são.

Arquivos